[CABN] – Joinville- Solidariedade ao Grêmio Estudantil da E.E.B Marli Maria

14 abr

O ano de 2013 foi marcado por fortes manifestações populares nas cidades brasileiras com pautas sobre o direito à educação, à saúde e à cidade. O Estado brasileiro exerceu forte repressão, inclusive não respeitando direitos conquistados com muita luta, sangue e vidas levadas nos anos de chumbo. Menos de um ano depois, o Brasil tenta refletir sobre os efeitos do golpe civil e militar de 1964, ainda mais enquanto o Estado insiste em manter as permanências dos tempos de ditadura, como a repressão e supressão dos direitos de livre organização e manifestação.

Em Joinville, os bairros escondem dos olhos da comunidade várias práticas opressivas. No bairro Paranaguamirim, os estudantes da Escola de Educação Básica Marli Maria organizaram o Grêmio Estudantil para atender as necessidades da comunidade escolar, tendo como norte a defesa da escola pública, melhoria das condições de estudo e de trabalho. Porém, o grêmio estudantil livre e autônomo da direção escolar da senhora Cleide Maria de Oliveira Futani, que é indicada do governador catarinense Raimundo Colombo, está sofrendo com ataques constantes. A proibição de assembleias dentro do ambiente escolar, perseguição aos membros da entidade estudantil e outras formas para silenciar o instrumento de organização e luta estudantil.

A direção da Escola de Educação Básica Marli Maria, assim como o governador do Estado, representa a permanência dos 21 anos de chumbo, pois realizam violações de direitos fundamentais. Por isso, o Coletivo Anarquista Bandeira Negra, integrante da Coordenação Anarquista Brasileira, torna público o seu repúdio à perseguição realizada pelo governo do Estado de Santa Catarina ao Grêmio Estudantil da E.E.B. Marli Maria. Na mesma medida, somos totalmente solidários aos estudantes em luta pela melhoria e pela defesa da educação pública.

Por grêmios livres, autônomos e combativos!

Protesto não é crime!

Lutar, criar, poder popular!

Santa Catarina – 14 de abril de 2014.

Coletivo Anarquista Bandeira Negra

[CAB] Solidariedade aos companheiros e companheiras da FOB de Rosário

7 abr

Solidariedade aos companheiros e companheiras da Federación de Organizaciones de Base (FOB) de Rosário

Difundimos a mensagem de denúncia dos atentados e ameaças que companheiros e companheiras da Federación de Organizaciones de Base (FOB) de Rosário têm sofrido por parte do crime organizado articulado com membros do Estado.

Há praticamente dois anos a militância da FOB vem recebendo ameaças de vários tipos por fortalecerem um processo de luta popular constituída desde a base, independentemente do Estado, de partidos políticos, e de perspectiva transformadora. Nas últimas semanas essas ameaças têm se intensificado e adquirido maior materialidade.

Denunciamos a ação do crime organizado local, que atua conjuntamente com membros do Estado argentino, na tentativa de frear as lutas dos movimentos populares combativos do país.

Enviamos desde nossa região os mais fortes votos de solidariedade e apoio. Estamos atentos a qualquer coisa que ocorra a nossos companheiros e companheiras! A solidariedade é mais que palavra escrita! Arriba l@s que luchan!

Coordenação Anarquista Brasileira (CAB)

***

Atentado y Amenazas contra militantes sociales de la FOB en Rosario, Santa Fe
FOB Rosario

El pasado Domingo 23 de Marzo cerca de las 18hs la militante social de la Federación de Organizaciones de Base (FOB) Iris Velasquez sufrió un atentado en la puerta de su domicilio, cuando descubre la quema completa intencionada de su moto (adjuntamos foto). Previamente le habían llamado para amenazarla y advertirle del hecho. Minutos más tarde las mismas personas que habían realizado ese hecho llaman telefónicamente al compañero Emilio Crisi para amenazarlo de muerte y advertirle que él sería la próxima víctima.

En estos últimos años hemos visto como bandas narcos fusilaban a 3 militantes del Movimiento 26 de Junio en Villa Moreno, los compañeros Jere, Mono y Patom. Así mismo hemos tenido que padecer el asesinato de Merecedes “Mecha” Delgado en Barrio Ludueña a manos de bandas mafiosas de la zona. Nuestra organización no está ni ha estado exenta del alcance del accionar de estas bandas mafiosas que lo único que han hecho desde hace años es apretar a cada vecino y fusilar a los pibes que se metían en el delito como moneda de cambio a falta de futuro y trabajo digno, algo en lo que el Estado en sus diferentes niveles ha dejado hacer y en algunos casos ha sido cómplice como se ha conocido recientemente.

Nuevamente y de manera lamentable tenemos que hacer público una serie de hechos que intentan amenazar y socavar nuestra voluntad y espíritu militante, aquellos que nos impulsa a querer cambiar el mundo y buscar una sociedad sin opresores ni oprimidos. Desde hace ya varios años venimos recibiendo gestos de estas bandas mafiosas para que dejemos de hacer la construcción social que venimos llevando a cabo en esta localidad, así como en otras zonas del país. El objetivo es amedrentarnos y que abandonemos los lugares en cada barrios donde venimos llevando a cabo numerosas actividades comunitarias, proyectos de cooperativas de trabajo, huertas, talleres de oficios, escuelitas libertarias, espacios de mujeres, entre otros. Cabe aclarar que sufrimos esta persecución política de estos sectores de poder, en gran parte por estar nosotros organizados de forma independiente, a pulmón, desde abajo y por fuera del Estado. Es evidente que el trabajo de formación, inclusión y práctica social transformadora les molesta a sectores de poder, tanto institucionales como también narco-mafiosos. En conclusión tenemos que contarle a la sociedad y a los medios de comunicación que no solo desde hace mas de 2 años venimos recibiendo sistemáticamente llamados telefónicos con amenazas de muerte, mensajes de textos y mensajes de voz amedrentadores, sino que también el último domingo 23 de marzo –a un día de que nuestra federación saliera a la calle para protestar contra el terrorismo de estado de la dictadura y la impunidad de ayer y hoy- la compañera Iris Velásquez sufrió un atentado en la puerta de su domicilio, cuando le incendiaron completamente la moto y le efectuaron un llamado telefónico para avisarle del hecho y amenazar con mas acciones contra la organización. Minutos después al atentado y al llamado, esta banda mafiosa efectuó un segundo llamado al compañero Emilio Crisi para avisarle que era el próximo en recibir un atentado a futuro.

Desde nuestra federación hemos decidido salir a la calle a través de la acción directa, única forma que tenemos los de abajo para lograr lo decidido en asambleas, con el fin de buscar justicia y solidaridad de clase de otras organizaciones ante estos hechos. Sabemos que las bandas narco-mafiosas no están solas, están conformadas también por la institución policial y se encuentran protegidas por jueces, abogados, fiscales, políticos, empresarios y redes de connivencia con el Estado que de hace un tiempo a esta parte se ha empezado a evidenciar en los medios y la opinión pública.

No nos amedrentaremos por las amenazas y el atentado, no nos quedaremos de brazos cruzados cuando estamos viviendo la inflación, el desempleo, la injusticia social, la judicialización de la protesta social… y ahora los atentados y la persecución política de parte de las mafias organizadas que tienen entre sus enemigos a los movimientos sociales autónomos.

En este sentido hacemos pública la convocatoria a un acto en solidaridad a las organizaciones sociales, políticas, gremiales y de Derechos Humanos en repudio al atentado, a realizarse en Plaza San Martín (Santa Fe y Dorrego) frente a la Gobernación MARTES 8 de ABRIL a las 10 de la mañana.

Hacemos un llamado a la solidaridad y al apoyo para el esclarecimiento de este hecho de violencia social protagonizada por sectores de poder que no quieren esa sociedad nueva que queremos y estamos construyendo día a día sin opresores ni oprimidos, sin explotadores ni explotados, sin nadie que mande ni obedezca, en definitiva una sociedad libre.

Arriba lxs que luchan!!!

Contacto Prensa Emilio Crisi 341-155154070

¿Que es la FOB? Como dice nuestra sigla es una Federación de Organizaciones de vecinos desocupados que luchamos desde abajo, de la Base. Buscamos un mundo mas justo donde haya posibilidades para todos y todas. Para esto nos organizamos SIN punteros NI jefes, NI DEPENDENCIA de ningún partido político ni gobierno alguno.

Nuestra lucha es por alcanzar la dignidad humana sin que nadie sea privilegiado por sobre el resto. Nuestra lucha no quiere personas que manden y personas que obedezcan sino personas que participen de igual a igual. Nuestra lucha es por la libertad!

fob

7° Encontro do Grupo de Estudos Libertários (GEL) – Campo Mourão

4 abr

No próximo domingo, 06 de abril, o Coletivo Anarquista Luta de Classe articulará o 7° GEL-Campo Mourão.

O tema do grupo deste domingo será: “Autogestão, Federalismo e Socialismo Libertário”. Buscaremos neste estudo compreendermos as bases da sociedade socialista libertária, bem como de que forma tais perspectivas estratégicas regulam as organizações anarquistas no presente.

Concepções anarco-sindicalistas da Autogestão - René Berthier

- Objetivos finalistas: Revolução social e socialismo libertário, capítulo 5 do livro “Anarquismo Social e Organização” - Federação Anarquista do Rio de Janeiro

Link dos textos: https://coletivoanarquistalutadeclasse.files.wordpress.com/2013/04/mc3b3dulo-vi-cel.pdf

Venha debater conosco!

[FARJ] Ditadura ontem e hoje: repúdio à repressão da PM no ato contra o Golpe Militar

3 abr

Retirado de:

http://anarquismorj.wordpress.com/2014/04/02/ditadura-ontem-e-hoje-repudio-a-repressao-da-pm-no-ato-contra-o-golpe-militar/

 

Nós, da Federação Anarquista do Rio de Janeiro (FARJ-CAB), repudiamos a covarde agressão realizada pela polícia militar do RJ aos militantes e manifestantes presentes no ato contra o Golpe Militar de 64, que fez 50 anos em 1º de abril.

Diversas organizações e correntes políticas marcharam nas ruas do Rio de Janeiro para marcar aresistência popular a instalação do golpe militar e empresarial, que beneficiou principalmente a burguesia nacional e internacional. Em nosso caso, distribuíamos o jornal Socialismo Libertário que falava justamente sobre a criminalização do protesto ontem e hoje.

Em determinado momento, em frente ao Clube Militar, a PM atacou covardemente os manifestantes.

Ao lado da tendência de luta, Organização Popular, fomos agredidos nos momentos finais do ato, de maneira covarde pela polícia militar!!

Infelizmente, não conseguimos registrar a agressão, mas nossos companheiros e companheiras sentiram na pele, a violência dessa instituição autoritária e criminosa, que só tem um motivo para existir: manter o atual sistema de dominação capitalista intacto.

É emblemático que justamente na data dos 50 anos do golpe militar que assolou o país, os governos continuem a tratar a questão social como caso de polícia.

Pelo fim da Políica Militar!
Contra a ditadura do governo federal, estadual e da FIFA nas comunidades e favelas!
Protestar não é crime!
Lutar, criar, poder popular!

[FARJ] Ocupação militar da Maré – 50 anos depois a história se repete como violência

3 abr

Retirado de:

http://anarquismorj.wordpress.com/2014/03/30/ocupacao-militar-da-mare-50-anos-depois-a-historia-se-repete-como-violencia/

 

A ocupação militar do conjunto de favelas da Maré pelo governo estadual e federal, além de vergonhosa é emblemática. Um dia antes dos 50 anos do golpe civil e militar de 64 vemos que os aparatos e práticas de repressão ao povo não foram desmobilizados com o fim da ditadura. Pelo contrario, continuaram atuantes, principalmente com a violência dos estado nas favelas e periferias, e se aperfeiçoaram. E hoje estes aparatos cada vez mais trabalham para garantir o avanço dos interesses do capitalismo contra o povo.

Na cidade e no campo, nas periferias e nas favelas o povo pobre é violentado há décadas pelo poder público que o priva de direitos como saúde, educação, moradia digna, saneamento, lazer, transporte, entre outros. Diante disso, a resposta do estado é uma política de repressão e controle social, como esta militarização das favelas e a criminalização dos pobres e movimentos sociais. Um rolo compressor que avança, conduzido pelos governos e tendo o capitalismo como motor.

Na ocupação militar do conjunto de favelas da Maré, logo atrás dos tanques do exército avançando sobre as ruas da favela segue o exército das empresas de telefonia, TV a cabo e serviços. Num macabro espetáculo midiático, os veículos de comunicação privados continuam fazendo seu papel de mentir sobre os fatos e apresentar toda esta violência do estado contra os moradores como se fosse algo natural e justificável. E o que importa para o governo não é o bem estar do povo, mas garantir que a Copa do Mundo, Olimpíadas e demais mega eventos ocorram e gerem um gordo lucro para as empreiteiras e todas as empresas que patrocinam estes eventos dos ricos. Nem que para isso seja necessário todo um aparato militar de controle social que tristemente nos remete aos sinistros tempos da ditadura civil e militar.

Repudiamos esta violação dos direitos humanos contra os(as) moradores do conjunto de favelas Maré, a criminalização dos(as) pobres, dos movimentos sociais e de todos(as) que manifestam indignação contra essa política da morte. Abusos como mandatos coletivos e leis que permitem a espionagem e repressão a movimentos sociais, são exemplos de que os governos só vêem o povo como um potencial criminoso.

Diante desta política de violência e morte do capital e do estado defendemos a vida com dignidade, o povo organizado e protagonista das decisões sobre as questões de sua vida, de sua moradia e trabalho.

É fundamental a solidariedade de todos(as) nesse momento, assim como a ampla divulgação de informações. Alguns endereços de comunicação popular e comunitária:

https://www.facebook.com/Marevive
https://www.facebook.com/FavelaFiscal
https://pt-br.facebook.com/pages/Tem-Morador
 

Viva a Maré!!! Maré Vive!!!

Federação Anarquista do Rio de Janeiro

1º de Abril, descomemoração dos 50 anos de ditadura!

2 abr

Ontem, 1º de abril, dia que o golpe militar “comemorava” 50 anos, o CALC-CAB fez parte da agenda de ações que servem para mostrar que não esquecemos e não perdoamos os crimes do Estado.

Em ato organizado pelo Coletivo Anarquista Luta de Classe e demais organizações e entidades que fecharam com a pauta de denúncia aos crimes da ditadura (Centro Acadêmico Hugo Simas, Coletivo Quebrando Muros, Levante Popular da Juventude, Partido Comunista Brasileiro,  Partido Socialismo e Liberdade, RUA e Coletivo Tarifa Zero Curitiba) mostramos que esta data não seria comemorada, mas sim lembrada.

O ato foi marcado pelo escracho e posterior retirada do busto de Flávio Suplicy de Lacerda, ex-Reitor da UFPR que tentou instaurar mensalidades nas universidades públicas durante a ditadura (isto é, privatizar o acesso) e que foi o Ministro da Educação responsável pelo acordo MEC-Usaid, bem como de perseguição muito ferrenha aos estudantes (saiba mais aqui: ATO: 50 anos de ditadura e a repressão continua!). A estátua ainda foi arrastada pelas ruas da cidade, como fizeram os estudantes em 1968 na luta contra as mensalidades.

Suplicy arrancado

Durante a noite, o CALC marcou a data com a mesa “NEM ESQUECER NEM PERDOAR! 50 anos do Golpe Militar: a repressão ontem e hoje”.

Compuseram a mesa: o Professor Doutor da UFPR Adriano Nervo Codato (membro da Comissão da Verdade), Augusto e Leonardo, militantes do CALC. Foi discutido o histórico da ditadura, seus reflexos na atualidade, seus resquícios e a retomada de alguns elementos do Estado de exceção no período após jornadas de junho de 2013. Não poderíamos deixar de fazer lembrar das recentes perseguições que nossos companheiros da organização irmã Federação Anarquista Gaúcha vem sofrendo (a FAG teve sua sede invadida algumas vezes pelo poder estatal, militantes perseguidos na rua e o filho de uma militante assediado por um policial à paisana), assim como a repressão que os pobres, negros e marginalizados nunca deixaram de sofrer. O evento teve um bom público, por volta de 40 pessoas.

Foto Suplicy escrachado

JAMAIS ESQUECER, NEM PERDOAR!
NENHUM PERDÃO AOS CRIMES DO ESTADO!
LUTAR! CRIAR PODER POPULAR!

Banca do CALC – Venda de livros anarquistas

2 abr

Todo mês, o Coletivo Anarquista Luta de Classe expõe sua banca para a venda de vários títulos anarquistas, especialmente da nossa corrente – Anarquismo Especifista, para autofinanciamento. Nesta primeira semana do mês de abril, em meio a várias atividades de descomemoração dos 50 anos do Golpe Militar, estamos em frente à cantina da Reitoria da Universidade Federal do Paraná durante os períodos da manhã e tarde vendendo nossos livros.

Chegaram novos livros! Além dos livros de Bakunin, do “Anarquismo Social e Organização” da Federação Anarquista do Rio de Janeiro e de títulos sobre a história dos movimentos operários e anarquistas, estamos com novos exemplares de ótimos títulos como: “Problemas e Possibilidades do Anarquismo” de José Antonio Gutiérrez Danton e “Ideologia e Estratégia” de Felipe Corrêa!

Venha conferir, receber alguns materiais do CALC e da CAB e aproveitar para comprar a Revista nº 2 do Socialismo Libertário (SOLI), a revista da Coordenação Anarquista Brasileira, sobre Teoria e Ideologia!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 32 outros seguidores